Estocolmo recebe Cúpula do Clima 50 anos depois da primeira edição

0
82
Enfrentamento aos problemas climáticos precisa de união mundial. (Foto: Linus Mimietz via Unsplash)

Em meio à tríplice crise planetária de mudanças climáticas, perda de natureza e biodiversidade, poluição e resíduos, Estocolmo realiza a Cúpula Ambiental que marca os 50 anos de tratado na Organização das Nações Unidas (ONU) nesta área. A conferência na capital da Suécia é um marco dos esforços que têm sido feitos para reduzir os impactos no clima ao longo de décadas e que reúne líderes globais para tratar do assunto.

Realizada em 1972, a Cúpula de Estocolmo deu início a um processo de negociações diplomáticas em busca de melhorias para a gestão do clima do mundo. De lá pra cá muitos alertas, mas poucos progressos, mas o consenso entre cientistas é de que o tempo quase se esgotou para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e evitar um aquecimento desastroso.

Para o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e o enviado especial dos Estados Unidos para o clima, John Kerry, ambos presidentes no encontro na Suécia, a invasão da Ucrânia pela Rússia representa o risco de desacelerar o ímpeto da crise climática. Em coletiva de imprensa, Guterres lembrou que apesar do atraso que o conflito pode representar para o tema, também mostrou o quanto o mundo é frágil frente à dependência de combustíveis fósseis. 

Uma situação de conflito que, segundo o secretário-geral da ONU, põe em teste a capacidade de união global para enfrentamento de questões globais, como as mudanças climáticas e perda da biodiversidade.

Segundo o The Local, Inger Andersen, diretora do PNUMA, todos precisam estar juntos nessa luta. 

“Precisamos de todos debaixo da tenda. Temos que evitar a fragmentação”, disse Andersen, em um comunicado, pedindo “ações ousadas” na reunião.

Os principais temas que a conferência abordará são ações para reduzir as emissões, a recuperação da pandemia de Covid-19 e como acelerar a proteção ambiental na política de desenvolvimento.

O ministro sueco da União Europeia, Hans Dahlgren, participou da conferência em 1972 como repórter e desta vez terá uma função ainda mais crucial: a declaração da Suécia na conferência, chamando a atenção para o fato de que a questão climática é urgente e precisa de soluções agora. 

“Tornou-se o ponto de partida para a colaboração internacional que, entre outras coisas, levou ao Acordo de Paris em 2015”, explicou Dahlgren.

Ele observou que a principal diferença agora, meio século depois, era o senso de “urgência” e que existem estruturas para lidar com a questão.

Apesar dos avanços nos diálogos desde a primeira edição em 1972, a conferência cercada de simbolismos, não agrada a todos. Ativistas climáticos, liderados sueca Greta Thunberg, ficaram frustrados com o que consideram uma inação generalizada dos líderes mundiais. Para eles, “a crise climática ainda está aqui, piorou nos últimos anos e muita ação política foi para piorar de diferentes maneiras”.

O encontro conta com a participação de ao menos dez chefes de. O Brasil será representado pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e a secretária de Amazônia e Serviços Ambientais, Marta Lisli Giannichi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui