Finlândia inaugura primeira usina nuclear europeia em uma década e reabre debate sobre energia verde e segura

0
263
Finlândia começa a operar nova planta de energia em meia a polêmicas. (Foto: Viktor Kiryanov via Unsplash)

As usinas nucleares, novamente, passam por um momento de debate e a Finlândia têm um papel fundamental nesta discussão na Europa. No fim de dezembro, entrou no sistema elétrico do continente a energia produzida pela Olkiluoto III, primeiro reator nuclear inaugurado no país desde o desastre japonês de Fukushima, em 2011.

Em geral, as usinas nucleares tem sido desligadas no Velho Continente, movimento que ganhou força após a tragédia no Japão. A Alemanha é o país que mais avançou na aposentadoria destas estruturas nos últimos anos. Mas a busca por uma energia sustentável, que substitua a geração a carvão ou a derivados de petróleo fez as usinas nucleares ganharem uma nova oportunidade em muitas nações.

O tema é polêmico. Embora sejam praticamente limpas, as usinas nucleares embutem um risco de acidentes que podem ser fatais a muitas regiões e países. Por outro lado, defensores da tecnologia afirmam que inovações dos últimos anos, em construção, monitoramento e até mesmo de gestão remota, tornam os reatores mais seguros.

Este novo reator é o quinto em funcionamento na Finlândia, localizado na ilha que leva seu nome, no oeste do país. E mesmo entre os finlandeses sofre com polêmicas: sua construção, que começou em 2005, atrasou 13 anos com brigas entre companhias que participaram das licitações para construção e operação da estrutura. Assim, seu custo final foi três vezes superior ao planejado no primeiro orçamento, passando de 3 bilhões de euros (R$ 19 bilhões) para cerca de 10 bilhões de euros (R$ 63,5 bilhões).

O Olkiluoto III começou a operar de maneira de teste em março, mas sua energia só entrou no sistema europeu pouco antes da virada do ano. A Finlândia ainda depende agressivamente da energia nuclear, e usinas nucleares também estão sendo planejadas novamente em outros países europeus.

A OL3 é ao primeiro reator europeu de água pressurizada (EPR) de terceira geração a ser ligada à rede do continente, devendo alcançar sua capacidade máxima em julho de 2022. Os EPRs são considerados modernos, mas surgiram problemas em outras partes da Europa. Em Flamanville, na França, por exemplo, onde os reatores também estão sendo construídos, os atrasos e os custos exorbitantes vêm sendo combatidos há anos.

E, além disso, a ideia do renascimento atômico continua assombra muitos na Europa, embora quase não exista resistência da população na Finlândia. E isso mesmo com o primeiro depósito de lixo nuclear do mundo também esteja sendo construído em Olkiluoto . Até os Verdes finlandeses apoiam a energia nuclear, pelo menos, diz-se, como uma tecnologia de transição. Com o argumento da proteção climática , a Finlândia continua a depender da energia nuclear, e vários outros países europeus também estão planejando novos reatores. Além da Finlândia e da Franca, Holanda, Sérvia, Romênia, Bulgária, Polônia e Estônia estão entre os países europeus que querem ampliar a capacidade de energia nuclear na Europa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui